Ir para conteúdo

Uma viagem, balões e sonhos

UP – Altas Aventuras, de Pete Docter, Bob Peterson

EUA, 2009

Animação da Disney/Pixar

Quando vimos Wall-E, da Disney/Pixar, esperamos que mais nenhum filme o supere. E então surge UP Altas Aventuras e nos encanta novamente com a magia típica dos filmes da Disney. O filme narra a história de Carl Fredricksen, um velhinho mal-humorado, solitário e viúvo de 78 anos que vive  numa casa que está no meio de uma construção de prédios moderníssimos.

Quando criança, Carl sonhava em ser um explorador, conhecer a América do Sul. Aos poucos os sonhos infantis são deixados de lado diante da vida que ele e a amada começam a ter. Mas, no alto dos seus setenta e poucos anos, Carl decide realizar a famosa exploração que ele tanto sonhara e que a amada idealizava em vida. Resolve partir na casa que vivia, içada por milhares de balões. Mas Carl não esperava pela companhia inicialmente inconveniente: Russel, um menino tagarela, um escoteiro que também sonha em ser um grande explorador.

O filme é inteiramente poético. Mesmo se tratando de um filme supostamente infantil, consegue abordar temas como a morte, a solidão e até mesmo a relação com o passado, de uma forma extremamente sublime.

Presenciamos uma verdadeira transformação do personagem. Primeiramente ranzinza, preso ao passado em que vivia com a esposa que tanto amava. Fora muito feliz com a esposa, mas não conhecera o lugar com que sonhara na infância. O desenho na parede que enfeitava a casa, retratando o Paraíso das Cachoeiras que queriam conhecer na América do Sul, era uma espécie de utopia que ambos tentavam alcançar, mas não conseguiam. Carl é simplesmente o retrato do ser humano que sempre caminha em busca dos sonhos de criança, a inocência e a crença de que tudo é absolutamente possível; mas quando cresce percebe que, para conhecer aquele lugar que o acompanhara durante a infância, é preciso amadurecer e entender que nem tudo é possível.

Porém, quando conhece a América do Sul a bordo de uma casa conduzida por balões e a companhia de Russel, percebemos que Carl busca realmente recuperar o passado, a presença da amada e a suposta simplicidade de ser criança. Isso, claro, nunca voltará. Mas é exatamente disso que é feita a vida, de viver e “morrer”, alienar-se e separar-se. A grande aventura que Carl precisa enfrentar é desvincular-se da ideia de voltar ao tempo; que é necessário escrever uma nova história.

Entre uma cena e outra, é possível emocionar-se com o sonho de Carl e entender que muitas vezes nos enganamos com aquilo que buscamos. Não é necessária uma verdadeira viagem para se ter uma aventura; a própria vida é uma aventura. Mas para compreender isso, Carl precisou passar por muitos apuros na área inóspita que o filme retrata, localizada na América do Sul. E, principalmente, ao conviver com o menino Russel, o velhinho percebe que agora é hora de orientar o novo, cuidar de Russel e dos sonhos do menino, pois ele, Carl, já fora criança um dia e aprendeu a ver a vida como uma aventura.  

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

3 comentários em “Uma viagem, balões e sonhos Deixe um comentário

  1. Sabe Má, nem tem o que comentar!!!

    Eu concordo com a Rosana… Não vi o filme ainda, mas a sua capacidade de captar a essência dos livros e/ou filmes que você comenta, eu acho fascinante!

    Vai virar crítica de cinema quando crescer, né?!?! ahahaha

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: