Ir para conteúdo

Clássico

Se hoje eu gosto de ouvir músicas clássicas como as de Frank Sinatra, Louis Armstrong, Ray Charles, entre outros, foi pela convivência com o meu avô. Ele era músico, como já expressei em outra crônica minha. Tocava piston, mas, curiosamente, nunca o ouvi tocar, já que desistira da música.

Mesmo assim, o som da orquestra fazia parte do meu avô. Eu ousaria dizer que a vida dele era mesmo uma ópera, talvez com um sentido diferente do escrito por Machado de Assis, em Dom Casmurro. O som de cada instrumento fazia-lhe lembrar dos tempos áureos em que tocava nos carnavais paulistanos. Ou do clima romântico que a época sugeria.

A vantagem dos clássicos é que eles, apesar do tempo em que foram criados, continuam a emocionar. Tente ouvir a trajetória humana descrita em My Way (Frank Sinatra) ou o sonho utópico por um mundo pacífico em What a Wonderful World, de Louis Armstrong. São instrumentos mágicos que compõem essas músicas. Não que hoje as músicas sejam plenamente vazias. Mas músicas dos anos 50 têm um clima nostálgico, capaz de unir gerações em uma tarde, ao contar para os netos o seu período de mocidade.

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

Um comentário em “Clássico Deixe um comentário

  1. Que bom que você traz essa influência de seu avô. Fico muito feliz!! Tenho certeza que ele também está muito orgulhoso da sua neta. Obrigada pela homenagem, ele certamente merece.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: