Ir para conteúdo

Boas festas

Nesta época festiva, final de ano, os discursos de “Feliz Natal e um próspero Ano Novo” parecem se repetir há séculos; pipocam nos meios de comunicação e nas despedidas escolares ou do trabalho. A tradição natalina não é estruturalista, mas talvez o desejo que nós temos por mudanças, novidades esteja aí há muito tempo. Pelo menos há 7 mil anos antes do nascimento de Jesus, essa data era a celebração do solstício de inverno, uma noite mais longa no hemisfério norte e o Sol ficava mais tempo no céu, o que representaria o “renascimento” dele. Portanto, o Natal é diferente para cada cultura e momento histórico. Montar a árvore natalina, colocar enfeites é uma convenção social, mas, de alguma forma, nos compõe e nos integra à sociedade. Claro que não se pode deixar de pensar que essa época é muito comercial também. Mas essa questão a gente deixa para Marx analisar, se Natal é capitalista demais ou não. No momento, o que importa é ver que o presente está sendo encaminhado para a posição de passado e o intangível nos aguarda, independente da data escolhida para  comemorar. Todo momento é receptivo para a reflexão, porém o final de ano representa uma mudança temporal (mais uma convenção?) e simboliza a renovação de sonhos. Por isso, renovo neste post a paixão pela escrita que me estimulou a fazer este blog há um ano, de uma forma bem metalinguística: escrevendo mais um post. Deixo o recado poético de Mário Quintana diante Das Utopias:

Se as coisas são inatingíveis… ora!
não é motivo para não quere-las…
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

3 comentários em “Boas festas Deixe um comentário

  1. Diria que na História das Religiões e no estudo do transcendente, o dia vinte e cinco de dezembro tem muito a se estudar… é o que dizem os cientista da religião. Do pouco que vi, fiquei boqueaberto!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: