Ir para conteúdo

Boas festas

Nesta época festiva, final de ano, os discursos de “Feliz Natal e um próspero Ano Novo” parecem se repetir há séculos; pipocam nos meios de comunicação e nas despedidas escolares ou do trabalho. A tradição natalina não é estruturalista, mas talvez o desejo que nós temos por mudanças, novidades esteja aí há muito tempo. Pelo menos há 7 mil anos antes do nascimento de Jesus, essa data era a celebração do solstício de inverno, uma noite mais longa no hemisfério norte e o Sol ficava mais tempo no céu, o que representaria o “renascimento” dele. Portanto, o Natal é diferente para cada cultura e momento histórico. Montar a árvore natalina, colocar enfeites é uma convenção social, mas, de alguma forma, nos compõe e nos integra à sociedade. Claro que não se pode deixar de pensar que essa época é muito comercial também. Mas essa questão a gente deixa para Marx analisar, se Natal é capitalista demais ou não. No momento, o que importa é ver que o presente está sendo encaminhado para a posição de passado e o intangível nos aguarda, independente da data escolhida para  comemorar. Todo momento é receptivo para a reflexão, porém o final de ano representa uma mudança temporal (mais uma convenção?) e simboliza a renovação de sonhos. Por isso, renovo neste post a paixão pela escrita que me estimulou a fazer este blog há um ano, de uma forma bem metalinguística: escrevendo mais um post. Deixo o recado poético de Mário Quintana diante Das Utopias:

Se as coisas são inatingíveis… ora!
não é motivo para não quere-las…
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

3 comentários em “Boas festas Deixe um comentário

  1. Diria que na História das Religiões e no estudo do transcendente, o dia vinte e cinco de dezembro tem muito a se estudar… é o que dizem os cientista da religião. Do pouco que vi, fiquei boqueaberto!

    Curtir

Deixe uma resposta para GustavoSaitoCancelar Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: