Ir para conteúdo

Heróis de um carnaval

A capa tremulava ao vento e o glitter caía delicadamente da estrelinha que ornava uma simples vareta. Os passos do super-homem e da fada faziam-se com urgência. O caminho seria árduo, cheio de perigos, mas eles sabiam de suas responsabilidades. Em alguma parte do mundo mais uma ditadura se desfazia e o super-homem seria chamado para apartar brigas e trazer a paz. A fadinha, bem, tinha como função realizar o sonho de mocinhas que queriam brilhar e ser tão belas quanto a capa da Vogue.

Uma multidão se formava à frente deles. Seriam admiradores? Pessoas que já precisavam de ajuda? Próximo a eles, o barulho de rodas os tirou desse sonho. O super-homem e a fadinha andavam rumo… ao ponto de ônibus. Não iam salvar mocinhas indefesas. A multidão à frente era uma fila de pessoas conturbadas a subir no ônibus, acreditando que suas vidas possuíam tanta urgência quanto a necessidade de salvar o mundo. Bem, a única missão do super-homem e da fadinha era o carnaval.

Entre eles, havia a mãe, conduzindo-os para o ponto de ônibus. Ela pintou a máscara nos olhos do filho com muito carinho, enquanto colocou a tiara nos cabelos castanhos da filha, a mesma que usara no carnaval ao conhecer o marido. O carnaval era simbólico para a família, pois marido e mulher casaram-se no carnaval, e os filhos, gêmeos, nasceram com a mesma felicidade de uma escola de samba entrando na Marquês de Sapucaí. A comemoração do evento era em blocos de rua, próximo ao bairro dos avós, ou em salões. Desta vez, o super-homem e a fadinha rumavam à escola para a comemoração.

No ônibus a balançar, alguns ignoravam as criancinhas, preocupados demais com os seus problemas. Uma pessoa ou outra sorria e exclamava “ah, que fofura!”. Só isso. Não reparavam o quanto o super-homem e a fada eram heroicos? No cotidiano, preferiam esconder a identidade, claro. Naquele dia, em especial, estavam mostrando a todos quem eram e só o que recebiam era um aperto na bochecha?

Ao chegar à escola, numa profusão de ciganas, princesas, homem-aranha e batman, havia crianças com a mesma fantasia! Mais um super-homem e uma fadinha! Mas eles eram únicos, como podem aparecer do nada? Não entraram em contato! A fadinha ficou desolada, sonhava em criar roupas num passe de mágica e agora via a sua magia ser roubada por uma fada qualquer. O super-homem nem se sentia mais tão heroico assim. Não serviria para nada nos conflitos mundiais. Os dois se encararam, melancolicamente, deram-se as mãos e sentaram-se em um banquinho, para observar a alegria das outras crianças.

Com um pacote de confetes, a mãe chegou alegremente a eles. Estranhou a face tristonha dos filhos, olhou em volta e logo viu a outra fada e o super-homem. “Ah, essas outras crianças só vestem uma fantasia no carnaval, por algumas horas. Eles não nasceram no carnaval. Desde o dia em que vocês vieram ao mundo, já são os meus heróis”. A mãe deu um beijinho em cada um, ajeitou a tiara da menina e a capa do filho.

A fadinha e o super-homem se olharam. A fantasia deles tinha lá a sua originalidade. A varinha de condão da outra fada soava tão falsa! E qual é o herói que não passou por uma crise? Vilões e concorrentes existem. Mas nenhum deles tinha uma tiara ou uma máscara como as que usavam. Munidos de confete, o super-homem e a fadinha foram para a brincadeira. Não precisavam de histórias em quadrinhos ou contos de fada para serem heróis.

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

3 comentários em “Heróis de um carnaval Deixe um comentário

  1. Neste ano de 2011 faz exatamente 27 anos que eu e seu pai nos conhecemos, num baile de Carnaval. Casamos na semana do Carnaval em 1987. E você resolveu nascer também na semana do Carnaval em 1993. O significado do Carnaval para nós é alegria!
    Adorei o seu texto. Você tem uma capacidade incrível de descrever uma situação ou uma cena de forma que nos faz imaginar que realmente tudo aconteceu. Você explora os sentimentos de forma sutil, nos envolvendo.

    Curtir

  2. Adorei!!! Principalmente do primeiro parágrafo!!! Bela introdução pro decorrer de um texto super delicado… Vê o Carnaval pelo prisma das crianças!!! Ótimo!!!

    E concordo, a sua mãe é fofa!! Adorei conhecê-la!!! ^^

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: