Ir para conteúdo

O transpassar pela renda

De sonhos ando farta,
A cada noite um cenário distinto.
Já não sei mais o que fazer.
Ah, esta noite foi um corvo que surgiu!
Ecoava ‘nunca mais’ em meu ouvido…
Acho que é Poe avisando que minha vida é finita,
Meu semestre é finito,
Que os livros não lidos
Perseguir-me-ão pela consciência.
E talvez nunca mais poderei recuperá-los.
Títulos dispersos,
Em aulas e pedaços de papéis,
Promessas espalhadas por aí.
Conhecimento deixado em banho-maria,
Retornará a mim em algum dia?
Bom, pode ser apenas esses mesmos livros,
Conduzindo-me ao passado até em sonhos.
Ao século dezenove tenho voltado,
Envolvendo-me em vestido adornado,
Pela renda, pelo passado, pela modernidade.
Renda essa que, por entre seu tecido vazado,
Visualizo o ideal de uma época nunca vista.
Ah, meus olhos não contemplaram esse passado,
Como saber, pois, se é real?
O corvo é mais um indício de um passado
Que não me pertence mais.
Um passado apenas ao alcance do sonho e das páginas…
De um poeta atormentado pelo seu presente,
Tão incerto entre o não-mais e o não-ainda!
É esse o passado-presente
Repousando acima da lareira, ameaçador,
Já brando na sua fantasmagoria
De passado e sonho.
Lareira com o fogo de um devir perdido,
Ideais misturados em um circular do mundo.
Ele volta à mesma forma? Nunca mais.

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

2 comentários em “O transpassar pela renda Deixe um comentário

  1. Você fica concentrada no seu mundo, com seus pensamentos e esse é o resultado: um lindo poema!!!
    Você diz que seus olhos não contemplaram esse passado, mas sei que quando você lê, se transporta para o passado e com sua sensibilidade sente como se estivesse lá.
    Por isso o conhecimento fica em banho-maria e quando você precisar ele acordará.
    Os livros sempre estarão lá te aguardando. Sempre haverá tempo para a leitura.
    Parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: