Ir para conteúdo

O lado bom da vida

O lado bom da vida
Dir. David O. Russell
EUA/2013
Com Bradley Cooper, Jennifer Lawrence, Robert De Niro, Jacki Weaver

o-lado-bom-da-vida-pipoca-cafe-e-cinemaO cinema já apresentou muitos tipos de casais, o amor à primeira vista, o casamento, o namoro inocente entre duas pessoas felizes que são apenas um pouco solitárias. Já conhecemos bem essa história. E, felizmente, O lado bom da vida – mesmo com esse título clichê na tradução brasileira – se despe do lugar comum e apresenta um amor que cresce gradualmente durante o filme entre duas pessoas que, no passado, tiveram a vida destruída e, agora, tentam reconstruí-la com as esperanças que sobraram.

Bradley Cooper interpreta Pat Solitano, um rapaz que perde o emprego e o casamento após um surto que põe em risco a vida de outras pessoas. Ele passa oito meses numa clínica de reabilitação e, ao voltar para a casa dos pais, está decidido em recuperar o tempo perdido. Do outro lado está Tiffany, interpretada por Jennifer Lawrence, uma moça agressiva que tenta superar a morte repentina do marido e o desequilíbrio que sofreu após essa perda. Esse certamente seria um casal improvável, mas que se mostra possível, pois ambos recebem o olho torto e duvidoso dos outros ao redor por serem considerados desajustados.

O filme funciona extremamente bem e envolve o espectador desde o início. A história é simples e o desenrolar dela também. Na verdade, é um filme que dá espaço para os atores construírem personagens complexos, muitas vezes desvendados por um olhar ou atitude, do que por uma frase dita. A começar por Bradley Cooper. Pat se perturba com uma música que ouve e se revolta com a morte de um personagem em um dos livros de Hemingway. Tudo vem de sensações que passamos a compartilhar com o personagem. Ele acorda os pais revoltado com a morte do personagem, esbravejando contra Hemingway, e a gente adota o argumento de Pat. Ele expõe a fragilidade da vida, nesse momento, pelo ato de fúria, que é a sua defesa, ao perceber que as expectativas para a vida, muitas vezes, são apenas isso, esperanças que não vão se concluir ou que são derrubadas por uma reviravolta da história. Ou seja, junto a Pat, até mesmo essa raiva por um escritor já morto se torna convincente.

No caso de Jennifer Lawrence, parece que ela não está atuando, tamanha a naturalidade com que a jovem atriz compõe Tiffany. Ela é agressiva, mas vulnerável, extremamente sincera, mas oculta os sentimentos mais profundos. E, mesmo sendo características contraditórias, elas funcionam bem na composição da personagem. Os momentos em que ela conversa com Pat e as mudanças bruscas de humor nunca soam forçadas, tamanha é a competência de Lawrence ao dar vida à personagem.

Assim, o filme mescla tensão, drama e comédia na medida certa, com um final contido e realista, não como nas comédias românticas em que há uma exaltação da superação. Essa superação já permeia todo o filme, com a naturalidade que poucos filmes conseguem imprimir. A verdade é que todos os personagens do filme possuem uma fragilidade que optam por esconder. E, tendo o futebol americano como o ponto que os une – além dessa fragilidade -, o filme demonstra que a estratégia de um jogo, assim como a vida, é lidar com a perda e tentar uma nova jogada, saber quando recuar para voltar ainda mais forte.

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e mestranda na USP em Filosofia, na área de Estética, pesquisando Manet e o feminino. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia oculta nas tintas e na prosa do mundo.

Um comentário em “O lado bom da vida Deixe um comentário

  1. Creio que você não poderia ter descrito de maneira melhor esse filme. Não é um filme convencional, não é uma situação convencional e eu acho que, o principal do filme, não é mostrar o casal e sim, como, todos que apontam as “anormalidades” do casal, as possuem em maior ou menor escala, mas as mantêm escondidas sob o véu que a sociedade cobra que exista e que, sempre em algum momento, um ou outro deixa escapar. Acho que o filme pode ser descrito da seguinte maneira: como desfocar o foco do filme. Muito interessante!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

Portal de Crônicas

Cá entre nós

1001 Scribbles

Random and Abstract Lines

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: