Ir para conteúdo

Ouça Neil Gaiman e sua leitura de Um conto de Natal, de Charles Dickens

No dia 19 de dezembro de 1843, Um conto de Natal, clássico de Charles Dickens, era publicado. A obra já é mágica por si só. Mas narrada pelo escritor de fantasia Neil Gaiman, fica ainda mais espirituosa e mágica. Em 2013, como evento especial na New York Public Library em comemoração aos 173 anos do clássico, Neil Gaiman foi convidado a ler todo o livro de Dickens para o público, com um toque especial: uma performance recriando a presença do próprio autor, transformando-se a partir da casaca, cartola e barba, e lendo de forma teatral como Dickens fazia com seus livros. 

Gaiman ainda fez sua leitura a partir de uma edição rara do prompt de Um conto de Natal, cedida pela própria biblioteca. Com um detalhe: trata-se uma versão marcada e anotada com o propósito de ler a história em voz alta, e a cópia cedida era a do próprio Dickens.

Neil Gaiman lendo o prompt de Dickens / Crédito: New York Public Library

Segundo a matéria de Colleen Gibson para o site da biblioteca, Dickens foi muito ligado à performance de sua obra de maneira teatral. Ele fez turnês pela Inglaterra, Irlanda, Escócia, Paris e até levou a performance para os Estados Unidos. Sua última apresentação americana foi na cidade de Nova York, no Steinway Hall, em 1868, mesma cidade onde ocorreu a leitura de Gaiman. 

“Dickens atuou no teatro durante grande parte de sua vida, até mesmo em sua carreira como escritor proeminente, e trouxe esse treinamento e experiência para suas leituras. Ele aparecia no palco iluminado por lâmpadas a gás e ficava em frente a uma mesa de leitura que havia feito especialmente para suas apresentações. Embora ele tivesse o livro como referência, também foi dito que ele memorizou a obra como se estivesse atuando no teatro. Como indicam as notas e instruções do palco na cópia do prompt, Dickens realmente atuou nessas histórias”

Foi com essa cópia do prompt que Gaiman fez sua leitura, tal qual o Dickens autor personificado em ator. Como especifica Neil Gaiman na sua apresentação: 

“Dickens usou este raro tesouro de Natal [o prompt lido por Gaiman] aqui em Nova York na época do Natal em duas apresentações em 1867. A primeira foi em uma sala de exibição de piano Steinway na East 14th Street e a segunda em uma igreja no Brooklyn. As pessoas fizeram fila na neve por ingressos. Alguns até dormiam do lado de fora para conseguir um lugar na multidão. E a fila na hora da abertura tinha quase um quilômetro de comprimento”

Essas sessões de leitura de Charles Dickens viraram até parte da trama do episódio 3 de Doctor Who, Os Mortos Inquietos, seriado esse que Gaiman também, temporadas depois, escreveu um episódio especial.

E, como curiosidade, o autor ainda acrescenta as excentricidades de Dickens sobre seu ritual antes de cada leitura:

“A maneira que Dickens gostava de se preparar para uma de suas leituras era beber duas colheres de rum misturado com creme para café da manhã, uma caneca de champanhe para o chá, e meia hora antes de subir no palco, ele bebe um xerez com um ovo cru batido nele”

O áudio de sua leitura pode ser acessado abaixo e  aqui

Referências bibliográficas

New York Public Library – Listen: Neil Gaiman reads “A Christmas Carol”

Imagem de capa: Mia Sodré

Publicado pela autora no site Querido Clássico

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e Mestre em Filosofia na USP, na área de Estética, com a pesquisa Confrontos do olhar: a pintura e a figuração feminina por Édouard Manet. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia nas tintas e na prosa do mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Caderno Jota

O cinema, a vida e tudo o mais

um velho mundo

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Limonada

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

%d blogueiros gostam disto: