Ir para conteúdo

Pintura inédita de Manet será vendida em leilão em Paris

Uma pintura nunca vista de um cachorro feita por Édouard Manet vai ser vendida pela primeira vez num leilão em Paris no próximo mês.

O pintor francês modernista esboçou o pequeno trabalho em 1879 como um presente para Marguerite Lathuille, a filha de um proprietário de um restaurante da qual o retrato ele pintou no mesmo período.

créditos: Drouot Estimations

Por pelo menos 140 anos, o trabalho permaneceu com a família Lathuille, a qual recusou ofertas anteriores para vendê-la.

O expert em arte Frédérick Chanoit afirmou que a pintura, medindo 32,5 cm por 24,5 cm, foi produzida em 20 minutos e é um exemplo da habilidade técnica de Manet.

“Não é uma de suas chefs-d’oeuvre (obras-primas), mas é uma interpretação maravilhosa da habilidade de Manet; uma admirável sinfonia de tufos e toques que mostram sua pura genialidade”, diz Chanoit.

“Ela é diferente de seus trabalhos clássicos, mas demonstra sua habilidade técnica como pintor. O fato de que em um tempo muito curto e pinceladas, com poucos meios ele pôde produzir essa pintura de um cãozinho, que é uma bola de pelos mas cheio de movimento com vívidos olhos, é extraordinário”.

Chanoit disse que a pintura havia sido catalogada e registrada por escrita, mas nunca foi publicamente vista desde que foi produzida.

“Nós temos cartas que mostram que na década de 1920 um negociante de arte escreveu para Marguerite implorando para comprá-la dela, mas ela recusou. A pintura passou diretamente para seus filhos, e até agora eles não queriam vendê-la”, diz Chanoit.

O óleo sobre tela pertenceu à Marguerite, que leva o nome do cachorro, um Griffon de Bruxelas chamado Minnay, é uma da série de oito pinturas de cachorros que Manet produziu entre 1875-1883.

O animal pertenceu a Marguerite, de quem o pai era Gauthier Lathuille, o dono de um cabaret e posteriormente um restaurante que aparece em outra pintura de Manet, Chez le Père Lathuille, na qual Gauthier aparece no fundo, ao lado direito. Além de pintar o retrato de Marguerite, que agora está pendurado no Museu de Lyon, o artista também concluiu um retrato em pastel do irmão dela Louis, atualmente em uma coleção particular.

Édouard Manet, Chez Le Père Lathuille, 1879. É Gauthier Lathuille ao canto direito.
Édouard Manet, Retrato de Marguerite Lathuille, 1878

Manet era um visitante frequente do estabelecimento Lathuille na Avenue de Clichy, no distrito de Batignolles, uma área popular entre os impressionistas.

“Ainda propriedade dos descendentes da dona do cachorro, Marguerite Lathuille, este retrato é único e permaneceu desconhecido no mercado por mais de 140 anos”, afirmam os leiloeiros Drouot Estimations.

A obra será vendida no dia 26 de fevereiro em Paris e ficará disponível para exposição dois dias antes da venda. Espera-se que ele gere pelo menos 280.000 euros (248.000 libras).

Fonte da tradução: The Guardian

Marina Franconeti Ver tudo

Escritora e Mestre em Filosofia na USP, na área de Estética, com a pesquisa Confrontos do olhar: a pintura e a figuração feminina por Édouard Manet. Ama pintar aquarelas, descobrir a magia nas tintas e na prosa do mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Caderno Jota

O cinema, a vida e tudo o mais

um velho mundo

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Limonada

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Momentum Saga

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Aline Valek

Blog da escritora

na cabeceira

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Querido Clássico

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Fright Like a Girl

A palavra escrita brilha como uma janela acesa no caos. E, então, ela alça voo e dança no ar.

Cine Varda

duas amigas apaixonadas por cinema, escrevendo sobre mulheres

Cinema na Varanda

Podcast semanal com Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria

Artrianon

Arte e cultura

Rainhas Trágicas

Mulheres notáveis que fizeram História

Sopa de Letras

Literatura e outros

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

%d blogueiros gostam disto: