Ir para conteúdo

Tagfada

Heróis de um carnaval

A capa tremulava ao vento e o glitter caía delicadamente da estrelinha que ornava uma simples vareta. Os passos do super-homem e da fada faziam-se com urgência. O caminho seria árduo, cheio de perigos, mas eles sabiam de suas responsabilidades. Em alguma parte do mundo mais uma ditadura se desfazia e o super-homem seria chamado para apartar brigas e trazer a paz. A fadinha, bem, tinha como função realizar o sonho de mocinhas que queriam brilhar e ser tão belas quanto a capa da Vogue.

Uma multidão se formava à frente deles. Seriam admiradores? Pessoas que já precisavam de ajuda? Próximo a eles, o barulho de rodas os tirou desse sonho. O super-homem e a fadinha andavam rumo… ao ponto de ônibus. Não iam salvar mocinhas indefesas. A multidão à frente era uma fila de pessoas conturbadas a subir no ônibus, acreditando que suas vidas possuíam tanta urgência quanto a necessidade de salvar o mundo. Bem, a única missão do super-homem e da fadinha era o carnaval.

Entre eles, havia a mãe, conduzindo-os para o ponto de ônibus. Ela pintou a máscara nos olhos do filho com muito carinho, enquanto colocou a tiara nos cabelos castanhos da filha, a mesma que usara no carnaval ao conhecer o marido. O carnaval era simbólico para a família, pois marido e mulher casaram-se no carnaval, e os filhos, gêmeos, nasceram com a mesma felicidade de uma escola de samba entrando na Marquês de Sapucaí. A comemoração do evento era em blocos de rua, próximo ao bairro dos avós, ou em salões. Desta vez, o super-homem e a fadinha rumavam à escola para a comemoração.

No ônibus a balançar, alguns ignoravam as criancinhas, preocupados demais com os seus problemas. Uma pessoa ou outra sorria e exclamava “ah, que fofura!”. Só isso. Não reparavam o quanto o super-homem e a fada eram heroicos? No cotidiano, preferiam esconder a identidade, claro. Naquele dia, em especial, estavam mostrando a todos quem eram e só o que recebiam era um aperto na bochecha?

Ao chegar à escola, numa profusão de ciganas, princesas, homem-aranha e batman, havia crianças com a mesma fantasia! Mais um super-homem e uma fadinha! Mas eles eram únicos, como podem aparecer do nada? Não entraram em contato! A fadinha ficou desolada, sonhava em criar roupas num passe de mágica e agora via a sua magia ser roubada por uma fada qualquer. O super-homem nem se sentia mais tão heroico assim. Não serviria para nada nos conflitos mundiais. Os dois se encararam, melancolicamente, deram-se as mãos e sentaram-se em um banquinho, para observar a alegria das outras crianças.

Com um pacote de confetes, a mãe chegou alegremente a eles. Estranhou a face tristonha dos filhos, olhou em volta e logo viu a outra fada e o super-homem. “Ah, essas outras crianças só vestem uma fantasia no carnaval, por algumas horas. Eles não nasceram no carnaval. Desde o dia em que vocês vieram ao mundo, já são os meus heróis”. A mãe deu um beijinho em cada um, ajeitou a tiara da menina e a capa do filho.

A fadinha e o super-homem se olharam. A fantasia deles tinha lá a sua originalidade. A varinha de condão da outra fada soava tão falsa! E qual é o herói que não passou por uma crise? Vilões e concorrentes existem. Mas nenhum deles tinha uma tiara ou uma máscara como as que usavam. Munidos de confete, o super-homem e a fadinha foram para a brincadeira. Não precisavam de histórias em quadrinhos ou contos de fada para serem heróis.

%d blogueiros gostam disto: